quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Luís Nhachote vence grande prémio de jornalismo 2008




No relançamento do "Grande Prémio de Jornalismo" do Sindicato Nacional de Jornalistas, instituído nos anos oitenta quando aquela organização ainda era uma organização democrática de massas do Partido Frelimo e se denominava Organização Nacional de Jornalistas (ONJ), as honras da (re)edição foram para os jornalistas Luís Nhachote, sub-editor do «ZAMBEZE» e do «Canal de Moçambique», e para Arão Valoi, colaborador do mesmo semanário em regime de «free-lancer»।




Júlio Manjate, da Redacção do "Notícias", venceu o Prémio Anual de Jornalismo Abel Faife, e o jornalista Arão Valoi venceu o prémio «Ian Christien" em jornalismo económico. Todos os prémios excepto o Grande Prémio tinham como valor pecuniário a quantia de 3000 mil dólares americanos. O momento mais alto da noite foi o anúncio do "aliciante" prémio «Aquino de Bragança», cujo valor pecuniário é de 10 mil dólares americanos. Por decisão unânime do júri, os trabalhos sobre "os contornos do narcotráfico em Moçambique", publicados no semanário ZAMBEZE, da autoria de Luís Nhachote, foram os que melhor qualidade apresentaram. Referir que quem presidiu o júri, foi o escritor Luís Bernardo Honwana, sendo coadjuvado por Calane da Silva, Martinho Fernandes, Benjamim Faduco entre outros de reputada competência.


Um comentário:

Guilherme Freitas disse...

Parabéns aos jornalistas premiados. Aqui no Brasil nossa imprensa muitas vezes não olha para o jornalismo do continente como deveria. Graças a esse e outros blogues, conseguimos saber o que se passa por ai. Espero que o jornalismo moçabicano se fortaleça e faça da ética e da democracia a sua bandeira. Grande abraço a todos.